Família

3 sinais que mostram se você quer ter um filho ou ser mãe?

Ter um filho ou ser mãe? Tem diferença? Sim, muita!!

Ser mãe é muito mais profundo que apenas ter um filho. Ser mãe é abraçar a responsabilidade de educar, de cuidar e formar um novo cidadão. É participar ativamente de sua vida, do seu dia a dia, observando e guiando o seu desenvolvimento.

Se você pensa em engravidar, vou te mostrar 3 sinais que vão te ajudar a perceber se você quer ter um filho ou ser mãe:

 

  • Atendendo a terceiros. Quando você pensa em um bebê e a primeira coisa que vem a sua cabeça são os desejos do seu companheiro, a cobrança da família, mãe, sogra, irmãos ou os comentários constantes dos amigos que “tá na hora do bebê”, você está se preparando para ter um bebê e não ser mãe na sua essência. Está propensa a ter um filho para agradar aos outros.

 

  • Cuidados do bebê. Ao pensar no seu futuro bebê, você pensa constantemente na babá que precisa contratar, na escolinha ou creche que vai deixa-lo, na sogra que cuidará dele no sábado enquanto você vai à cabelereira…enfim, quem ajudará você a cuidar do bebê. Pensar sobre isso é muito natural, mas se isso se tornar uma obsessão, uma preocupação excessiva, reflita sobre o fato de você estar terceirizando os cuidados, neste caso, isso também é um sinal de que você pode estar querendo apenas ter um filho.

 

  • Olhos que brilham. Se seus olhos brilham, seu coração palpita, se você fala do bebê sem parar para todo o mundo, se fica imaginando a carinha dele, o cheirinho, o sorriso, as noites que passará alimentando-o e os dias que passará amando-o incondicionalmente, sentindo o quão a maternidade é importante para você e para a humanidade…isso é sinal de que você quer ser mãe!

 

Ser mãe é estar disposta para a maior aventura de sua vida! Não é estar pronta, porque prontas nunca estamos, crescemos e aprendemos com nossos filhos diariamente.

É estar disposta ao novo, ao inesperado, ao desafio, a entrega de si e simplesmente estar disposta a amar e ser amada!

 

Ser mãe ou ter um filho? A decisão é só sua!

4 Erros Fatais das Mães que Trabalham em Casa

 

Tem um ano que estou trabalhando a partir de casa.

Minha decisão mudou minha vida e a vida da minha família. Foram muitos momentos de acertos e muitos tropeços também!

Trabalhar em casa requer adaptações pessoais e familiares, ninguém está preparado!

 

Pela minha experiência pessoal, asseguro que existem pelo menos 4 erros fatais que as mães cometem ao começar a trabalhar em casa. Quero compartilha-los com você para que os evite quando tomar a decisão de trabalhar perto dos filhos:

 

 

  • Horários – você não trabalhará menos do que trabalhava antes, isso é uma ilusão. A grande vantagem é que você vai poder escolher seu horário de trabalho, equilibrando-o com as atividades familiares, como acompanhar o almoço das crianças ou levá-los à escola. Mas atente-se em manter um horário fixo de pelo menos 3 horas seguidas para que seu trabalho flua. Isso é importantíssimo para que você não se deite na cama e e tenha a sensação de que fez tudo e não fez nada.

 

  • Lugar – Encontre um lugar apropriado para seu trabalho, um canto no quarto, uma mesa na sala, ou outro cômodo da casa, ao contrário, você estará um dia trabalhando na cozinha, outro dia no banheiro e ão criará identidade profissional nem para você e nem para sua família. Estabeleça que ali é seu lugar de trabalho e deixe claro para seus filhos que aquela área é de trabalho e não de lazer. Aos poucos, mostre aos seus filhos que quando você estiver ocupando esse espaço estará trabalhando e precisa da compreensão deles para que esperem para serem atendidos.

 

 

  • Fluxo de caixa – é comum quando a mulher trabalha com vendas diretas, que ela pegue seu dinheiro e comece a pagar o gás, dar dinheiro para o lanche das crianças ou comprar a laranja da perua que está passando na rua. E não é para isso que queremos dinheiro também? Sim. Porém, é um erro não contabilizá-lo. Gastar o dinheiro, assim que ele chega a sua mão é perigoso, pois as contas podem sair do controle. Mantenha registros de entrada e saída de dinheiro do seu negócio para não ter surpresas desagradáveis no final do mês.

 

  • Trabalhar de pijama – Céus, quantas vezes fiz isso!!! Fuja desse comodismo! Ao se levantar e fazer sua rotina matinal, vista-se como se fosse trabalhar fora, isso ajuda seu cérebro a manter-se ativo e alerta ao trabalho. Ficar de pijama é confortável e fácil, mas traz uma letargia e com o passar do tempo um estado de baixa autoestima.

Ótimos negócios e excelente convivência familiar para todos!!!

Luciana Cairo

setas-para-baixo

Clique Aqui e Receba Gratuitamente o Ebook

 “28 Inspirações para Mães Trabalharem a Partir de Casa”

Qualquer caminho (NÃO) serve!

Conhece aquela frase: para quem não sabe onde vai, qualquer caminho serve!

 

Olá! Espero que esteja bem, você e sua família!

 

Quando decidi que não queria mais minha carreira corporativa para ficar perto dos meus filhos me deparei com um novo desafio. Não o desafio da decisão de mudar de vida e de tudo que ela acarretaria, das coisas que precisaria ressignificar ou adaptar. Um desafio maior: eu precisava saber o que eu realmente queria.

 

É muito comum sabermos o que nós não queremos. No meu caso, não queria mais viajar por tanto tempo, não queria mais ser ausente no acompanhamento dos meus filhos, não queria mais trabalhar 12 horas por dia…uma lista imensa de coisas que eu não queria.

 

Mas o que eu queria de fato? Aí o bicho pegou! Passei tanto tempo vivendo no automático, vivendo a vida dos outros e pelos os outros, que quando precisei tomar a frente da minha própria vida novamente, não sabia o que queria.

 

Qual rumo minha vida tomaria? Qual caminho eu queria seguir? O tempo foi passando e para quem não sabe onde vai, qualquer caminho serve. Mas eu estava atenta a isso e soube pedir ajuda na hora certa. Para mim, qualquer caminho não servia!

 

Para resolver isso, usei minha bússola pessoal, todos nós temos a nossa. Sim! Você também tem a sua! Essa bússola é o conjunto dos nossos VALORES! Amor, sucesso, liberdade, intimidade, segurança, aventura, poder, paixão, conforto, saúde…são alguns exemplos.

 

Se quisermos uma realização profunda em nossas vidas só a alcançaremos decidindo o que mais desejamos, quais os nossos maiores valores, e em seguida nos comprometermos a viver cada dia à luz dessa decisão.

 

Os valores determinam o caminho para a felicidade!

 

Se há alguma coisa que você faça atualmente e que não esteja de acordo com o que você acha certo, contra seus valores, não há congruência entre seus valores e seus objetivos. No meu caso, valorizo muito a família, como poderia ausentar-me tanto dos seus cuidados?

 

Qualquer caminho não serve!

 

Beijokas!!!

 

L.

P.s. Uma dica para usar melhor a sua bússola é fazer uma lista dos valores importantes para você. Feito isso, atribua notas de 1 a 10 para melhor classificá-las e você encontrará os seus maiores e melhores valores.

 

Mães e trabalho – qual é o ponto de equilíbrio?

Essa é uma questão bem atual, mães e trabalho, qual é o ponto de equilíbrio?

A resposta é simples – cada mãe encontra o seu.

O problema é o “como” encontrar esse equilíbrio.

Prevejo indagações do tipo:

“mas eu sou o sustento da casa”

“eu tenho a minha carreira”

“meu dinheiro contribui com as despesas”

“eu gosto do que faço”

“mulher em casa para cuidar dos filhos? Isso é machismo! Não nasci para isso!”

E por ai vai…

 

Temos uma série de “mas” que prejudicam nossa habilidade de enxergar outras possibilidades.

 

Tenho recebido muitos e-mails de mães que assim como eu perceberam que o tempo dos filhos também passa, ou melhor, corre e quando nos damos conta, os filhos estão grandes e independentes.

 

Encontrar o ponto de equilíbrio entre as atividades profissionais e a criação dos filhos é tarefa essencial para se ter uma vida familiar saudável.

 

O trabalho é importante para a mulher, a criação dos filhos é vital e única!

 

No começo do texto citei o “como” encontrar o equilíbrio e te digo que antes de mais nada, você deve pontuar o que realmente é importante na sua vida, aquilo para que você veio a este mundo, aquilo que seu coração mais pulsa, aquilo que é o propósito da sua vida.

 

Sabendo disso o “como” aparece. Surgem ideias para empreender, surgem negociações de horário com sua empresa, surge o home office, surgem redes de apoio…surgem, surgem… surgem… e você, mãe, saberá que decisão tomar.

 

Quando percebi que meu lugar era trabalhando perto dos meus filhos e no meu caso são três, a presença de um mentor me ajudou a descobrir o “meu como”.

Encontrar alguém que te ajude nesse processo, alguém que já tenha vivido algo semelhante faz toda a diferença.

 

Mantenha o foco, pense sim, no seu trabalho, nos seus filhos, mas não deixe que um substitua o lugar do outro. Eu te digo, por experiência própria, que dá para fazer as duas coisas!

 

Abraços,

 

Luciana Cairo