Vida Profissional

A única função do fracasso

Se você está aqui há mais tempo já sabe que deixei meu trabalho, seguro, quentinho, aconchegante e bem remunerado por causa do meu grande e absoluto propósito de estar junto e cuidar da minha família!

 

Por consequência comecei a empreender como coach e hoje tenho uma empresa de treinamentos pessoais e profissionais.

 

Mas nem tudo deu certo neste caminho, alguns fracassos apareceram no meio da história, não por minha vontade, claro, mas por falta de experiência, talvez.

 

Ninguém se planeja para o fracasso. Ele é dolorido, nos coloca para baixo, nos faz retroceder e abre a porta faladeira do comitê de “merda”, desculpe a expressão.

 

(comitê de “merda” são aquelas vozes danadas de nossa cabeça que só apresentam negativas – “você não é capaz” – “esse negócio não é para você” – “você não está preparado” – “você errou de novo”…e por aí vai!)

 

No meio de alguns fracassos (parecia até mesmo uma tentação!), surgiram trabalhos daqueles que eu estava acostumada a fazer, que sem falsa modéstia, faço com o pé nas costas, de ótimos salários e grandes jornadas de trabalho e confesso que por duas vezes fiquei na dúvida se aceitava ou não. O trabalho proveria minha vida material mas não me dava a liberdade de estar com minha família e viver a vida que eu queria.

 

Transpor essa situação requereu uma grande confiança em mim mesma e a clareza daquilo que eu realmente queria para minha vida.

 

A única função do fracasso em nossa vida, pessoal ou profissional é a pergunta que ela traz consigo:

“Você quer realmente seguir esse caminho?”

 

E no meu caso, a resposta foi SIM!

O fracasso já te fez essa pergunta?

Qual foi sua resposta?

O que mudou depois disso?

 

Responde prá mim!

 

Grande e abençoada semana!

 

Luciana

 

Por que chamo você de “vivente”?

Primeiro porque você está vivo!

Segundo porque está em busca de ter a vida que você quer e não ser apenas um sobrevivente.

Quer ter poder de escolha, e não ser escolhido pelas situações que a vida lhe impõe, capiche?

Você NÃO QUER dinheiro!

Você NÃO QUER dinheiro!

Quando rapidamente pergunto a alguém o que resolveria sua vida, a resposta imediata e de quase 90% das pessoas é ter dinheiro!

O curioso é que pessoas ricas tem problemas de diversas naturezas e se dinheiro fosse a solução seria muito fácil.

Ao contrário, existem pessoas muito pobre e que são extremamente felizes com a vida que levam!

Como explicar?

Você não sabe, mas a verdade é que você não quer dinheiro!

Você quer as sensações que o dinheiro te traz!
Quer conforto, segurança, satisfação, liberdade…e muitas outras coisas que experimentamos quando não precisamos nos preocupar com o dinheiro.

A diferença entre você e aquela pessoa extremamente pobre é que ela já percebeu que tais sensações podem ser adquiridas de outras formas também.

“Mas Luciana, sensações não pagam minhas contas!” – você deve estar pensando…

Sim! Nem as minhas!!

É por isso que temos falado em outras ocasiões da importância do equilíbrio em todas as áreas da vida, inclusive financeira. O equilíbrio em saber qual vida posso sustentar, qual vida, com a renda que tenho, posso ter, que dores tenho tentado curar com os gastos excessivos e desmedidos, ou ainda, se quero melhorar minha renda, que passos devo tomar.

Por hoje, enquanto esse equilíbrio financeiro não vem, procure perceber quais as sensações boas que você tem em relação as coisas que o dinheiro te proporciona.

Segurança, conforto, alegria, tranquilidade…seja lá qual for o sentimento ou sensação, pense agora, em quais outras situações você sente a mesma coisa e perceba que você pode encontrar essas sensações que te fazem felizes em outras ocasiões que não sejam integramente ligadas ao dinheiro.

Você verá que pode ser feliz de outras formas também! Basta conhecer e ter claro o que você realmente quer!

Boa semana!

Luciana

=============

P.s. Eu gravei um podcast bem caseiro sobre o assunto de hoje e dei alguns exemplos, ouça:

P.s.2 – Dia 10/05 (por sinal, niver da minha irmã, que alcançará os 40!rs), terça-feira às 21h – horário de Brasília – teremos nosso encontro online de Maio.
O assunto desse mês é : “Como mudar qualquer coisa em sua vida”
Através de 6 passos, o Braz vai ensinar você a mudar qualquer coisa em sua vida.
Mágica?
Não!
Neurociência!
Não fique de fora!
Acesse o link:
http://avidaquevocequer.com.br/ao-vivo-na-vida/

P.s.3 – Muitíssimo obrigada a todos que enviaram seus comentários sobre o site novo!! Isso nos enche de coragem e força para continuar esse trabalho para vocês!! Gratidão!!

A DOR nossa de cada dia!

Sei que alguma coisa dentro de você dói neste momento!

 

Doença física ou mental, relacionamentos, família, dinheiro, desesperança, medo…a dor nossa de cada dia…cada um tem a sua!

 

Cada um sabe da sua dor e mais que isso, o tamanho dela!

 

Ninguém consegue medir a dor alheia, pois o que para você pode ser pequeno, para aquela pessoa que sente, a dor pode ser aterrorizante!

 

O tamanho da dor depende de como é nossa vida, nossas crenças e nossa aceitação do momento que se vive.

 

Engana-se quem acha que ir em busca e conquistar a vida que se quer, o priva das dores.

 

A dor é uma condição humana e nos acompanha até o final de nossos dias, isso é uma verdade! Pequena ou grande, aparecerá mais ou menos vezes em nossas vidas, indubitavelmente.

 

Mas não se assuste! A dor tem seu lado positivo!

Ela nos torna fortes (embora muitas vezes nos sentimos extremamente fracos) faz procurarmos por novas possibilidades e modela nossa capacidade de empatia, nos tornando seres mais humanos.

 

Se sua dor está insuportável, vai aqui minha pergunta de hoje para você…como anda sua vida espiritual?

 

Porque, às vezes, a dor nasce quando não estamos querendo viver a vida que Deus nos propõe e de nada valem sonhos, metas, mudança de mindset, foco ou qualquer outra técnica, se você não está no caminho de seu propósito mais profundo.

 

A dor nossa de cada dia existe. E existe para todos. Você não está sozinho nesta!

 

Portanto, Avante!

 

Ótima semana!

 

Luciana

 

 

Como ser Multitarefa e eficiente!

Como ser Multitarefa e eficiente!

 

Tá muito na moda dizer que se é multitarefa! Mas dá para ser multitarefa e eficiente? Não sei.

As pesquisas dizem que não.

Ser multitarefa é diferente de ser multipotencial (disso falamos depois, ok?)

Quando fazemos mil coisas de uma só vez, o seu tempo some, pode ter certeza e, além de estar atolado de afazeres, vai ganhar aquela sensação horrorosa de ter se matado de trabalhar e não ter feito nada.

Quando você for fazer algo, evite as distrações, feche seu email, desligue-se das redes sociais e, se possível, o telefone.

Foque na atividade.

Além disso, dê pequenas pausas. Levante-se, tome uma água ou um café (hummm!) e volte ao trabalho.

Se você se lembrar de algo no meio da tarefa, anote, para providências futuras e para que essa lembrança não se torne uma ansiedade.

Volte e termine seu trabalho.

Uma lista de prioridades, sempre ajuda a definir o que deve ser feito primeiro.

Fazendo uma tarefa por vez, seu tempo vai render mais e você poderá até fazer mais de uma em um dia só, podendo dizer que é multitarefa e eficiente, mas uma de cada vez!

No trabalho também é possível buscar uma vida equilibrada!

 

Fica a dica!!

 

Abraços,

 

Luciana