dia dos namorados

Meu dia dos namorados – parte 2

Então…continuando…(se você não leu a primeira parte, pode clicar aqui!)

 

Fui medicada, não morri…voltei para casa…no dia dos namorados…

 

Em casa, além da preocupação com o pescoço, começamos a cuidar da pressão, afinal sou filha de dois hipertensos e a probabilidade é grande de em algum momento da vida eu ser também.

 

Pegamos um aparelho que tínhamos da época das gravidezes e medimos minha pressão que estava ok!

Para ter certeza, meu marido mediu a dele que não estava ok!

 

Ficamos com muitas dúvidas até constatarmos que o hipertenso da vez era ele e não eu.

 

Por que eu te conto tudo isso?

 

Porque em meus ebooks e textos oriento as pessoas a sentirem gratidão até nos momentos mais difíceis. Não é fácil, admito. Mas tem sua razão.

O que aconteceu comigo foi um exemplo concreto. Se eu não tivesse me adoentado, não saberia que meu marido precisava de cuidados.

 

Essa foi uma das razões para que eu me sentisse grata pela doença.

 

Ver os acontecimentos da vida com outros olhos. Acentuar o positivo!

 

Desejo que você treine a gratidão nos momentos difíceis de sua vida!

 

Acentue o positivo!

 

Luciana

(no meu novo ebook, tenho uma semana inteirinha dedicada a gratidão para momentos difíceis…em breve!)

 

 

 

Meu dia dos namorados – parte 1

Oieee!!

Tudo bem?

Aqui, agora, sim, tudo bem!

 

O dia dos namorados é que foi bem agitado mas tirei boas lições que vou compartilhar com você em duas partes.

Então…, no dia dos namorados tive uma dor imensa no pescoço, eu já estava com um pouco de torcicolo, mas na segunda-feira foi o auge!

Fiquei tão ruim que não mexia mais a cabeça e não conseguia engolir…começamos a ficar preocupados e, moral da história, passamos a noite dos namorados no hospital! Nheee!

Cheguei no hospital com a pressão arterial altíssima por conta da dor e logo fui atendida.

Ai é que entra a primeira parte do meu aprendizado desse dia.

Com muita dor, com dificuldades para engolir, de respirar e com uma tremedeira que não sei de onde veio, estava eu, na enfermaria sendo medicada.

Muitas pessoas ao meu redor, meu marido lá fora, mas me senti inteiramente sozinha.

Só eu.

Depois eu e Deus.

E, ao meio do caos, pensei sobre a morte.

E se fosse aquela hora?

Não poderia abraçar meus filhos pela última vez, não poderia dizer o quanto amava meus pais, ou o quanto meu marido foi importante na minha vida.

Naquele momento, percebi que só o amor vale! Só o amor fica! Só o amor vai com você.

E senti muita gratidão!!

Gratidão por ter aprendido a declarar meu amor e gratidão em pensamentos, palavras e ações diariamente e que se eu partisse naquela noite, estaria tudo bem. Eu estaria satisfeita.

 

E você? Se soubesse que iria morrer daqui a uma semana, o que faria?

 

Não deixe de declarar seu amor e sua gratidão às pessoas que você quer bem!

 

Que tal começar hoje?

Uma excelente semana!!

Depois conto a outra parte! E, sim! Eu já estou ótima! Obrigada!!

 

Grande beijo!

Luciana Cairo