Me permiti!

Me permiti!

 

Hoje me permiti acordar depois que senti que dormi suficientemente;

Me permiti colocar açúcar no café;

Me permiti andar e correr, sem olhar o tempo e a velocidade;

Me permiti, não contar as calorias;

Me permiti comer quando tinha fome;

Me permiti tomar toda a água da jarra sem ter que repô-la;

Me permiti tomar banho num horário não casual;

Me permiti amar mais que criticar;

Me permiti ler críticas e não me zangar com elas, apenas tentei enxergar como o outro;

Me permiti ouvir uma música de um artista que nunca vi;

Me permiti experimentar uma comida nova;

Me permiti usar uma roupa que há tempos não usava;

Me permiti ler um livro inteiro em um só dia;

Me permiti deixar para depois aquilo que depois terei que fazer mesmo;

Me permiti ficar com raiva;

Me permiti testar minha resiliência.

Me permiti amar as diferenças;

Me permiti respeitar as diferentes vidas que se manifestam ao meu redor.

Me permiti sorrir para as paredes;

Me permiti sorrir para quem me pisou os pés.

Me permiti comer uma bobeira à noite;

Me permiti cochilar;

Me permiti dormir na hora que o sono veio;

Me permiti sentir emoções o dia inteiro…

Me permiti rezar com a alma e sem ela;

Hoje, me permiti ser eu mesma, com defeitos, com vontades, com mais amor…

Me permiti

Ser humana!

 

Luciana Cairo

 

Fragilidade Humana

[FRAGILIDADE HUMANA]

 

 

Ontem, presenciei a fragilidade humana mais uma vez!

Não é um acontecimento nada agradável e se você não estiver legal, recomendo que leia depois.

Embora um fato ruim, tirei o melhor para mim e compartilho com você hoje!

Estava no carro com minha família, pela Serra da Cantareira em São Paulo, em direção ao Santuário de Nossa Senhora do Rosário.

Meu marido, sempre muito prudente, dirigia cautelosamente quando uma moto nos ultrapassou, perdeu a direção, desgovernou-se e atingiu em cheio a uma árvore na lateral da pista. O corpo do rapaz de vinte e poucos anos, sem capacete, voou de volta a pista, inanimado como um objeto sem vida.

Uma cena horrível, marcante, que nos deixou bem abalados.

Até agora não entendemos direito o que aconteceu, se alguma peça da moto quebrou, se ele não tinha muitas habilidades com a moto ou se estava alterado de alguma forma…

A queda foi muitíssimo violenta e, sinceramente não sei se o rapaz sobreviveu.

O que somos nós neste mundo?

Seres frágeis.

Seres frágeis em busca de algo que nem sempre sabemos o que é. Procuramos a felicidade, bens materiais, conforto. Nos cercamos de boa alimentação, esportes e cuidados.

E as vezes, meu amigo leitor, nos esquecemos de cuidar daquilo de mais precioso que trazemos conosco que é a nossa alma.

Estaria aquele rapaz da moto preparado para aquele momento?

Estaria aquele rapaz preparado para ver Cristo face a face?

E, eu te pergunto:

O que você está fazendo hoje para que quando o seu dia chegar você possa estar plenamente livre e limpo para gozar da presença de Deus?

O que você responderá ao ser indagado sobre os seus talentos e missão aqui nesta terra?

“Procure-O enquanto pode ser achado!”

 

Àquele desconhecido, que inexplicavelmente e lindamente amamos por um instante, minhas preces.

 

A você, meu querido, minha querida que me acompanha sempre, minha prece também, para que sua espiritualidade seja revigorada!

 

Uma boa e reflexiva semana!

 

Luciana